J. A. F – 19 anos (sexo feminino)


Há cerca de um ano, meio que obrigada, tive meu primeiro contato com a clinica. Lembro-me como se fosse ontem o trabalho que dei para atendente na minha primeira entrevista. Depois de muito sacrifício, ela chamou Moema para ajudá-la. Ajudá-la com uma menina implicante e insistente que teimava em dizer que nada daquilo fazia sentido. Que não era possível nem saudável, quanto menos aceitável se propor a uma dieta tão restritiva quanto aquela. Moema lançou-me um desafio e disse: venha e conheça. Foi então que, movida por esse desafio, eu comecei o tratamento e passei a dar trabalho não só para a atendente, como para toda a equipe de profissionais, pois afinal eu jurava de pé junto que meu peso não era um problema.

Eu pesava 114 kg mas o problema não era a dificuldade que eu tinha em subir uma escada, era o fato de não me quererem nos times de esporte. O problema não era ter 18 anos e usar um manequim 58 era simplesmente “não gostar” de comprar roupa. O problema não era um corpo nada desejável, era a falta de um namorado. O problema não era mal conseguir dançar, era terem me convencido a desistir do ballet. O problema eram as pessoas que não me aceitavam, eram as piadas que contavam ao meu respeito, era bulling era preconceito, crueldade o que quer que fosse, mas não o meu peso. Até que logo no primeiro grupo do qual participei me questionaram: se não o problema não é esse então porque você chora tanto? E eu chorava cada vez mais e mais desesperada por ter que encarar que o problema não era apenas porque eu não queria e não aceitava que fosse.

É muito mais fácil acreditar que o problema está na forma com que o mundo funciona do que ter que lidar com o quanto a obesidade te machuca. É muito mais fácil acomodar-se uma situação e por pior que ela seja aprender (ou fingir que aprendeu) a aceitá-la, do que assumir a possibilidade de mais um fracasso. Mas então eu me dei conta que foi fazendo o mais fácil que cheguei a uma obesidade mórbida. E só a partir desse momento eu realmente comecei um tratamento, pois foi a partir daí que eu passei a tratar não só a minha obesidade mas a minha forma de encarar e lidar com as coisas. Foi quando eu comecei a olhar pra mim que eu percebi que comer porque queriam que eu emagrecesse me deixava tão em função das pessoas quanto não comer. Que da mesma forma que eu tinha compulsão por comida eu tinha compulsão por acertar, por estudar, por falar eu tinha compulsão por gente.Que eu nunca senti um desejo louco e incontrolável por guloseima nenhuma, mas que minha ansiedade em cima do que as pessoas achavam ou do quanto elas me aceitavam era tão grande que eu comia. Que eu me sentia tão mal comigo mesma, por conta do meu peso, que tentava insistentemente ser perfeita em todo o resto. Eu tinha o tempo todo que ter as melhores notas, ser melhor filha, a melhor amiga, a que mais agrada a que mais faz, a que mais ajuda a que mais tudo. Eu me via com um defeito tão grande que eu não conseguia aceitar mais nenhum outro.

Foi ao logo desse ano de tratamento que eu entendi que sou tão imperfeita quanto qualquer um aqui. Mas que sou forte o suficiente pra lidar com meus defeitos sem escondê-los, pra aceitar as criticas sem sofrer por elas, para assumir as restrições, perder 48kg e continuar caminhando com a certeza de que chegarei ao meu peso ideal. Pois o que eu tenho ganho é muito mais do que um corpo, é a reconquista de cada pedacinho meu que eu deixei se perder ao longo dos anos, é voltar a estar bem comigo mesma e a acreditar em mim, é tomar gosto por comprar roupas e sair de casa, é a possibilidade de ser vista cada vez menos e enxergada cada vez mais, é poder voltar a fazer ballet, conseguir dizer não, ser cantada na rua.É, principalmente, a construção de uma nova vida, de uma nova Juliana cada vez mais completa, feliz e autêntica. Sei que ainda tenho muito a conquistar, tanto na perda de peso quanto no meu psicológico. Mas hoje não tenho a menor dúvida de que conseguirei e de que é isso o que quero pra mim, pois se o caminho tem sido tão bom o lugar para onde ele leva só pode ser ainda melhor.

Compartilhe